Uma dúvida muito comum entre os que estão interessados em realizar uma obra é o tipo de cobertura a utilizar. Qual é a cobertura mais eficiente? Qual é a mais bonita? Qual esquenta menos o ambiente? E assim por diante. A verdade é que existem muitos tipos e variações e a cobertura pode ser algo difícil de imaginar porque exige um pensamento tridimensional. O arquiteto Roberto Simões costumava chamar a cobertura de “a quinta fachada do edifício” para chamar atenção a um ponto que muitas vezes acaba sendo deixado de lado e, na verdade, qualquer que seja a construção, é parte fundamental do projeto.

Vamos analisar aqui os telhados:

No Brasil, ainda mais comum do que as lajes, são os telhados. Basicamente o telhado é um sistema misto de cobertura (as telhas) com um sistema de sustentação (o madeiramento). As telhas podem ser de diferentes acabamentos e materiais. Elas podem ser esmaltadas, coloridas, naturais. E ainda existem as famosas telhas de cimento, as tégulas, que se encaixam perfeitamente umas na outras.As maiores variações entre tipos de telhados ocorrem em função do tipo do desenho da telha. Existem muitos tipos no mercado e podemos citar telhas tipo Francesa, Colonial, Plan, Romana, Portuguesa, Americana, Germânica, entre muitas outras. O que muda entre elas é o design da peça e a forma com que ela conduz a água e se encaixa com a telha ao lado. A escolha do tipo de telha é fundamental, pois determina a inclinação que o telhado deve ter para que não haja infiltrações. A telha Portuguesa, por exemplo, necessita de 30% de inclinação do telhado, enquanto a telha Plan 26%, o que já resulta em uma razoável diferença na altura total da construção. O sistema de sustentação do telhado é composto, de maneira simplificada, por terças (as peças mais robustas do telhado) que sustentam os caibros (as peças intermediárias), que por sua vez sustentam todas as ripas (as menores peças, estreitinhas) onde se encaixam as telhas. O telhado deve ser sempre realizado com madeira apropriada, mas como o uso dessa solução é muito intenso no país, é bastante fácil de encontrar bons revendedores. Também é interessante prever um tratamento de verniz para estas peças, assim como para cupins, para que o telhado dure muito mais. Mantas de subcobertura conduzem um eventual vazamento de uma chuva de vento para que não pingue dentro da construção e ao mesmo tempo melhoram o isolamento térmico. As mantas de subcobertura são ótimos acréscimos a um custo baixo, embora os telhados por si só tendam ter resultados térmicos muito bons por conta de dois fatores: o pé direito mais alto (forma-se um colchão de ar entre o talhado e o forro) e a inércia térmica das telhas de barro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *